sexta-feira, 22 de abril de 2011

Margaridinha (Coreopsis tinctoria)



           Herbácea bianual, nativa dos Estados Unidos, onde pode ser encontrada, em alguns estados, à beira de rodovias e em terrenos baldios, esta forração  esta esquecida pelos jardinistas.
           De rápido crescimento, a folhagem afilada é delicada num tom verde intenso e, quando floresce, pode alcançar até 1 metro de altura. As diversas hastes que aparecem durante a primavera e verão são repletas de flores pequenas, reunidas em capítulos amarelos e com a parte central marrom vermelhada,sendo que esta mancha, na cultivar Atropurpurea, chega a cobrir toda flor.


           É uma ótima opção para maciços a sol pleno, em solo rico em matéria orgânica, muito rústica quanto aos tratos culturais, tolerando mesmo baixas temperaturas e secas periódicas. Pode até ser utilizada em jardins públicos, praças e jardins residenciais, conferindo ao paisagismo um efeito campestre. Atrai abelhas, borboletas e outros insetos, além de pássaros.


           Multiplica-se por sementes e a melhor época para semeadura é o início do outono, mas pode semear-se espontaneamente ao redor da planta mãe.
           Também chamada Margaridinha-escura ou Calliopsis, é a flor nativa oficial do estado da Flórida. Os índios americanos usavam o chá das suas raízes para diarréia e como emético.
           É uma pena que na Quinta passemos algum tempo sem elas, sendo necessário fazer nova semeadura para termos um campo repleto.
           




2 comentários:

  1. Aqui em Natal, tentamos utilizá-la sempre que aparece nos viveiros. Temos somente uma produtora e por ser sazonal, acaba que em épocas ficamos sem esta mocinha sempre alegre!!!

    ResponderExcluir
  2. Tenho sempre dela
    Pois planto as Sementes!

    ResponderExcluir